Home NerdZine 5 INDICATIVOS DE QUE O FUTURO DA NINTENDO ESTÁ NO MOBILE
5 INDICATIVOS DE QUE O FUTURO DA NINTENDO ESTÁ NO MOBILE
0

5 INDICATIVOS DE QUE O FUTURO DA NINTENDO ESTÁ NO MOBILE

242
0

Fala, Nerds! Appol Boy com mais um artigo polêmico sobre a Nintendo que provavelmente será visto de nariz torcido, mas em 1990 eu seria um louco em dizer que em apenas cinco anos a Sony iria desbancar as duas maiores fabricantes de consoles da época, a ponto de fazer a SEGA se aposentar da guerra dos videogames e virar somente uma sombra do que um dia já foi.

Agora chegou a vez da Nintendo de tomar uma atitude antes que seja tarde demais, e para que a gigante dos games retorne à sua glória eu acredito que seu futuro está realmente no mobile. Veja por quê!

1. REFERÊNCIA EM GAMES

Unidades vendidas dos consoles da Nintendo.

Todos conhecem a Nintendo como uma dos líderes do mercado gamer, com muitos consoles e jogos famosos, porém, apesar do sucesso do Wii, que levantou a empresa em uma época que todos se preocupavam com seu rumo, a realidade é que seus consoles tem visto as vendas decrescerem lançamento após lançamento.[1]

2. ELES ENTENDEM DE MOBILE

A Nintendo possui um longo histórico de sucesso no mundo portátil, começando com o Game & Watch lá em 1980 e indo até o Nintendo 3DS na atualidade. 4 dos 5 consoles portáteis mais vendidos do planeta são da Nintendo, e se considerarmos também consoles caseiros, o Nintendo DS e Game Boy só perdem para o PlayStation 2, e por muito pouco.[2]

3. PRESSÃO DOS INVESTIDORES

Enquanto a indústria do videogame já começou a mudar seu rumo ao mobile, a Nintendo, como a empresa conservadora que é, por muito tempo se manteve firme à sua tradição de vender hardware e software, contudo, há alguns anos que seus investidores tentam fazê-la repensar essa estratégia e colocá-la em direção a esse emergente mercado portátil, e isso nos leva ao próximo item.[3][4][5]

4. POKÉMON GO

A Nintendo finalmente entrou no mercado mobile, e fez isso em grande estilo com o mega lançamento de Pokémon Go. Entretanto, infelizmente para seus investidores, o jogo é desenvolvido e distribuído pela Niantic, uma empresa que se originou no Google, o qual ainda se mantém investidor pesado (sendo apenas 13% da Niantic de propriedade da Nintendo). Isso somado às taxas de licenciamento da franquia Pokémon, que são pagas à The Pokémon Company, da qual a Nintendo retém  apenas 32% das ações, faz com que a mesma fique com um pequenino pedaço do bolo. Resumindo, a Nintendo pouco vai lucrar com Pokémon GO, porém, serve para posicioná-la em um mercado emergente que muitas desenvolvedoras estão entrando, abrindo caminho para seus próximos lançamentos.[6]

5. PREJUÍZOS

Desde 2012 que a Nintendo vem sangrando financeiramente, reportando perdas ano após ano, conseguindo se recuperar levemente em 2015, mas relatando perdas novamente em 2016, um prejuízo de $48,7 milhões apenas nos três meses de abril a junho de 2016. Perdas essas que são muito atribuídas ao fracasso do Wii U, que é um dos consoles de menor sucesso de toda a história da Nintendo, com apenas 13 milhões de unidades vendidas em seus quase quatro anos de existência, e também o segundo console da companhia com o menor número de jogos disponíveis, somando apenas 411 títulos.[7][8]

A SOLUÇÃO

Desde a sua entrada no mercado gamer que a Nintendo mantém controle de toda a operação de ponta a ponta, fabricando o hardware e licenciando o software, modelo que fez o videogame se consolidar aos poucos depois do crash de 1983 e que outras empresas viriam a adotar. Para que haja uma migração de consoles para mobile a empresa teria duas possibilidades: virar uma softhouse e desenvolver jogos para outras plataformas, como o iOS e Android; ou fabricar seu próprio smartphone e desenvolver um OS próprio exclusivo. Apesar dos dois sistemas operacionais móveis mais famosos já possuírem quase uma década de existência, acumulando milhares de features e conquistando uma base de usuários gigantesca, se existe alguma empresa que conquistaria o público, mesmo com um dispositivo mais primitivo inicialmente, é a Nintendo. Seria como uma troca: um dispositivo jovem, por isso mais “cru”, mas com acesso a todas as franquias que aprendemos a amar ao longo das últimas décadas, com o potencial de virar um grande dispositivo à altura dos melhores iPhones e Androids com o passar do tempo.

Então Nintendo, o que está esperando? Mãos à obra, o público mobile lhe aguarda!

Fontes:
[1] Nintendo’s Wii U is a tremendous flop, as explained in one chart from Nintendo
[2] Best-selling game consoles
[3] Nintendo Tries to Convince Investors to Wait as Profit Dives
[4] Nintendo Disappoints Without Mario for Mobile or New Console
[5] Conservative, stuffy old Nintendo and its weird habit of wild radicalism
[6] Pokémon GO é o falso messias da Nintendo! Entenda por quê!
[7] Nintendo reports huge quarterly loss amid plummeting Wii U sales
[8] Wii U é o segundo videogame Nintendo com menor número de jogos da história

Imagem: Super Mario Galaxy

(242)

Appol Boy Também conhecido pelo apelido que seus pais lhe colocaram, Paulo Renato Pereira é publicitário, programador e autodidata. Viciado em tecnologia e amante de gadgets, iniciou no mundo dos smart devices em 2010 ao ganhar um iPod Touch, foi amor à primeira vista. Hoje é fã e defensor da Apple com seu iPhone 5S, e acredita veemente que o futuro dos games está no mobile.